Facebook

“MÃOS À HORTA”

Nos tempos antigos, só alguns proprietários mais ricos é que tinham jardins ornamentais, espaços de luxo, todos os outros espaços exteriores eram puramente funcionais e uma necessidade.

Na época medieval, os jardins dos mosteiros eram usados para plantações com uma finalidade prática, desde aromáticas a plantas medicinais assim como comestíveis.

Mas foi na época renascentista, nomeadamente em França que a horta passou a ser ornamental e não meramente com um sentido prático, desde vegetais a frutas, ervas aromáticas e flores comestíveis. A horta passou a ser o ponto central do jardim, o elemento principal e não escondido da zona mais ornamental. Os jardins projetados nesta época foram feitos para serem vistos de cima, das janelas das casas e palácios, dai a evolução dos padrões geométricos que conseguiam ser apreciados quando o espectador se encontrava num plano superior ao do jardim.

As hortas no jardim entraram e saíram de moda várias vezes durante a história do design de jardins e nos últimos anos este elemento tem voltado aos jardins domésticos com uma crescente preocupação para que cada família cultive os seus próprios alimentos, inicialmente apenas com pequenas hortas inseridas num espaço ajardinado. Como muitas vezes na prática muitos espaços são demasiado pequenos para grandes divisões começou-se a inserir de novo nos canteiros principais do jardim. Mais populares são as aromáticas e as comestíveis com estruturas que não chocam num espaço sofisticado e de design moderno, mas também as couves ornamentais são cada vez mais utilizadas assim como as alfaces, ambas disponíveis numa variedade de cores desde o branco ao arroxeado.

Uma sugestão é começar apenas com um ou dois vegetais mais duas plantas ornamentais num pequeno espaço do jardim e observar a sua evolução. O cultivo de vegetais com plantas ornamentais de forma mais natural e não gerida por padrões geométricos rígidos é relativamente nova, por isso experimentar é importante. No Lar do Ramirão, não deixa de ser diferente e os nossos utentes não gostam de estar parados e por isso decidiram pôr mãos à obra no nosso Jardim. Aproveitámos o bom tempo e a ajuda dos nossos utentes para termos um jardim limpo e decorado.